Pele e perfume: entenda essa química



Quem nunca comprou um perfume que gostou em um amigo? Porém nem sempre nossas expectativas são atingidas nessa aquisição.

Isso acontece porque um perfume reage de forma diferente em cada pele. É claro que essa diferença não é gritante a ponto de mudar totalmente o cheiro do perfume, mas ele nunca fica 100% igual em duas pessoas.

A especialista em perfumaria Renata Ashcar, explica que perfume é química e pele também. “Essa alquimia entre os dois define como uma fragrância se comporta na pele da pessoa e que cheiro ela irá exalar ao seu redor”, diz.

No momento em que as moléculas do perfume tocam a pele, se inicia uma cadeia de ligações químicas, segundo Renata. “A pele é um órgão que nos protege e conecta ao mundo exterior. Equipada com milhares de receptores nervosos, a pele guarda características próprias que influenciam diretamente a evolução de uma fragrância, desde o momento em que ela é borrifada”, ressalta.

Como cada pessoa tem um cheiro, é fácil perceber que ele vai influenciar o resultado do perfume na pele. Segundo a especialista, hormônios, hidratação da pele (se ela é seca ou oleosa) e nível de pH (se é mais ácida ou alcalina) e tipo de alimentação são alguns dos fatores que alteram o comportamento das notas olfativas (os ingredientes perfumados) quando elas entram em contato com a pele.

Daí que é preciso cuidado na hora de escolher um perfume para comprar, mesmo se você experimentar na loja. Claro que o ideal é testar na própria pele, mas um ponto importante a levar em conta é que o cheiro do perfume fica diferente na pele à medida que o tempo passa.
O cheiro que se sente logo ao espirrar vem principalmente das notas de saída (ou cabeça), mais voláteis, as primeiras a se manifestar e, também, a evaporar. Após cerca de 15 minutos depois aparecem as outras partes da composição, as notas de corpo (ou coração) e as notas de fundo (ou base), que vão sendo liberadas aos poucos para interagir com as moléculas da pele. Esse será o cheiro final que permanecerá no corpo pelas horas seguintes e que, muitas vezes, é bem diferente do cheiro inicial.

Essa interação do perfume com o tipo de pele explica também porque em geral o cheiro dura mais nas peles oleosas do que nas secas.

“De acordo com essa interação com a pele, as notas do perfume compõem um cheiro único e original para cada pessoa”, esclarece Renata.

Como as fragrâncias são fonte inesgotável de sensações e lembranças, às vezes gostamos de um perfume usado por outra pessoa mas não sentimos a mesma emoção quando o aplicamos na nossa própria pele. “A harmonia entre pele e fragrância e inimitável”, finaliza.

FONTE: https://www.homemnoespelho.com.br